VERDES VOZES MODERNISTAS

Joaquim Branco

Preço: R$23,30

Frete: R$4,70

Veja outros livros do vendedor Alfaya Livreiro

Publicado em : 14/02/17

Localização : Rio de Janeiro

Visitas recebidas: 13



VERDES VOZES MODERNISTAS

Título: Verdes Vozes Modernistas
Autor: Joaquim Branco
Editora: Instituto Francisca de Souza Peixoto (Cataguases-MG)
Estante: Crítica Literária
Ano: 2006
Dimensões: 14 cm x 21 cm
Encadernação: Brochura. Livro em formato de revista, encadernado com grampos.
Orelhas: Não. Originalmente sem orelhas.
Idioma: Português
ISBN: 85-88965-07-0
Páginas: 84 p.
Peso: 126 (gr)
Estado do volume: Novo
Estoque: 1
Cadastrado em: 14.02.2017
Observação: Capa e foto do autor na quarta capa por Natália Tinoco.
Preço: R$ 23,30 + R$ 4,70 (frete para todo o Brasil) = R$ 28,00

Descrição: Livro novo, sem uso. Os grampos utilizados para encadernação estão oxidados, tanto na parte externa quanto na interna (no meio do livro); por outro lado, a ferrugem não atingiu nem a capa nem as páginas. Sem dedicatórias, sem nomes manuscritos, sem riscos, sem sublinhados, sem carimbos, sem marcas de fita adesiva, sem furos, sem rasgos. // A obra traça um retrato de Cataguases-MG, na década de 1920, com destaque especial para a “Verde”, revista literária lançada naquela cidade, em 1927, e que existiu por seis números. Traz ainda a biografia e textos dos nove autores, então rapazes, que fizeram parte da publicação: Ascânio Lopes, Camilo Soares, Enrique de Resende, Fonte-Boa, Francisco Inácio Peixoto, Guilhermino César, Martins Mendes, Oswaldo Abritta e Rosário Fusco. Textos desses escritores são analisados criticamente por Joaquim Branco, que revela os motivos históricos e estéticos que levaram o periódico a ir além dos limites de sua cidade de origem. Sim, pois o grupo mineiro contou com o apoio e contato de alguns dos grandes nomes do Modernismo que então também se inaugurava no Brasil, como Mário e Oswald de Andrade, além do poeta Carlos Drummond de Andrade. E, como mostra Joaquim, a revista precisou enfrentar a resistência da “imprensa oficial” e da mentalidade conservadora do povo de sua própria cidade de origem. Portanto, o livro constitui um importante documento para melhor compreensão tanto da história do modernismo quanto da ideologia predominante numa significativa cidade do interior de Minas Gerais, que bem pode ser tomada como paradigma da mentalidade dos demais municípios do interior do Sudeste brasileiro e, até mesmo, de outras regiões do país, naquela época. (Ricardo Alfaya)

Estante Crítica Literária
Autor Joaquim Branco
Editora Instituto Francisca de Souza Peixoto (Cataguases-MG)
Idioma Português
Nº de Páginas 84
Tipo de Capa Brochura
Ano da Edição 2006
Peso (g) 126
Estado do Produto Novo
ISBN 8588965070

QR code

  Anúncios semelhantes

Denunciar Anúncio

Receba Novidades por E-mail