MÁQUINA MUNDI

Marcelo Mourão

Preço: R$23,90

Frete: R$6,45

Veja outros livros do vendedor Alfaya Livreiro

Publicado em : 25/10/16

Localização : Rio de Janeiro

Visitas recebidas: 8



MÁQUINA MUNDI

Livro novo, sem dedicatória, sem riscos, sem sublinhados, sem carimbos, lançado no final de 2016, completamente limpo e em perfeito estado. Capa: Tchello d’Barros. Arte da quarta capa: Natália Tinoco. Orelhas: Tchello d’Barros. Texto da quarta capa: dados do autor. Prefácio 1: Leila Míccolis. Prefácio 2: José Henrique Calazans. Contém ainda 25 páginas, ao final, de fortuna crítica, assinadas pelos mais diversos escritores. Dimensões: 14 cm x 21 cm, brochura. “Máquina Mundi”, poesia, Marcelo Mourão, Rio de Janeiro, Oficina Editores, 2016, 138 p., 258 gramas. // “Máquina Mundi” promove o convívio harmônico entre poemas discursivos, concretos e visuais. Mesclar poesia visual com discursiva é sempre um risco, pois exige uma edição muito cuidadosa, o que, aliás, fez a Oficina, aplicando papel “offset” branco de 90 gramas, recurso que permitiu a intercalação dos visuais, sem produção de sombra. De fato, pode-se dizer que essa foi uma edição primorosa, desde a bela e criativa capa, assinada por Tchello d’Barros, em que um dos poemas discursivos do livro se transforma numa imagem ostensivamente inspirada em “A Criação de Adão”, uma das mais importantes pinturas do teto da Capela Sistina, feita por Michelangelo; ao fundo, veem-se circuitos eletrônicos que sugerem tanto a grande mídia quanto a informática, temáticas centrais e recorrentes no livro. O mapa-múndi de “Máquina Mundi”, diz respeito sobretudo ao nosso tempo e à sua volatilidade, impermanência e instabilidade. Nisso, pode-se dizer que muitas das preocupações do meu livro “Fronteiras em Liquidação” surgem em “Máquina Mundi”, o que, mais do que uma simples coincidência, mostra que tanto eu quanto Marcelo estamos atentos aos acontecimentos e ideias que têm norteado este nosso tempo. Bauman, desde o título de minha obra (“Liquidação” lembra “líquido” e “liquefação”), é uma referência explícita em meu livro, estando subentendido em muitos poemas e citado explicitamente em “Pinceladas”. Também Marcelo citará Bauman, explicitamente, na epígrafe do poema “Amor Líquido”. De fato, esse intelectual tem oferecido uma das interpretações filosóficas mais consistentes para a interpretação de nossa época, havendo quem o cite entre os cinco pensadores atuais mais importantes. // Concisão e humor são também palavras que definem bem a “Máquina Mundi”, de Marcelo. Aliás, engraçado, fazer essa metáfora-metonímia e pensar o livro como uma “Máquina”, motor do mundo, cada livro existente ou por existir, como peça dessa fabulosa e impossível máquina. Todo livro que se produz, metonímia do “grande” e abstrato “livro de livros” que sintetizaria, imaginariamente, tudo que já se escreveu. // “Máquina Mundi”, seria pois o motor do mundo? A eterna e ainda insolúvel discussão: o que move o mundo, a matéria ou a ideia? Muito antes de António Damásio, já observara Bertrand Russell (no prefácio a seu “A Análise da Mente”) que os biólogos contemporâneos vêm tornando a emoção cada vez mais corporal, enquanto que os físicos, ao contrário, vêm tornando a matéria cada vez menos “material”. Outro aspecto importante, no livro de Marcelo, é que os poemas visuais não se encontram ali por mero acaso. Acham-se também criticamente ligados a esse centro de indagações e dialogam com os discursivos. // O empenho de Tchello d’Barros e agora o cometimento de Marcelo Mourão, poetas da geração mais recente, mostram que se pode pensar numa continuidade da poesia visual enquanto gênero. E não há que se sobrepor a nada, mas conviver. Já no belo “Textuagens”, de 2014, Joaquim Branco publicara um livro de poemas em que convivem, na mais perfeita paz e harmonia, trabalhos visuais e discursivos. E isso me fez sentir bem à vontade para inserir, em “Fronteiras em Liquidação”, alguns concretos, além dos poemas visuais da capa e da contracapa. Em suma, essa é uma abertura muito enriquecedora, da qual agora também participa Marcelo Mourão. Não tenho dúvida em afirmar que, por tudo isso, quase ao fechar do ano de 2016, Marcelo trouxe à lume uma obra de grande contribuição para a poesia brasileira e um dos livros mais valiosos do ano de sua edição, em seu gênero. // Marcelo Mourão é professor graduado em Letras e pós-graduado em Literaturas de língua portuguesa. Tem dois livros publicados: “O diário do camaleão”, poesia, 2009, e “Temas em Literatura de língua portuguesa: os diferentes olhares”, crítica literária. Por sinal, ambos já oferecidos no Alfaya Livreiro e no Livreiro Online, sendo vendidos rapidamente. Além de professor, poeta e crítico literário, Marcelo é também produtor cultural, sendo um dos idealizadores e apresentadores do sarau POLEM (Poesia no Leme), atualmente acontecendo no bairro da Lapa, no Centro do Rio de Janeiro. (Ricardo Alfaya)  

Estante Poesia
Autor Marcelo Mourão
Editora Oficina (Rio de Janeiro)
Idioma Português
Nº de Páginas 138
Tipo de Capa Brochura
Ano da Edição 2016
Peso (g) 258
Estado do Produto Novo

QR code

  Anúncios semelhantes

Denunciar Anúncio

Receba Novidades por E-mail